macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Amor nascente



         Muitos sonhos começados
         Aos relâmpagos do seu olhar!

         Dei de verter grandes alegrias
         Dos mananciais do coração.
         Infindáveis canções,
         Brotavam dentro de mim.

         É que o amor que nasce,
         Sacoleja o corpo
         E bambeia o espírito,
         E nos carrega de lá pra cá
         Como plumas indefesas.

         É que o amor nascente,
         Goteja vida e intolerância
         Floresce dúvida e esperança:
         Vem roer os ossos d'alma.

         Por isso é que hoje estou
         Feliz e duvidoso;
         Já que a felicidade trás temor!

         Difícil gostar demais,
         E perecer de amor!


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 27/03/2008


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras