macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

" Timidez "

           Corei
           Quando me disseste
           Te amo
           Não sabia onde
           Colocar as mãos
           Faltou-me o chão
           Estremecí
           Eternamente sorrí
           Ao nosso amor

           Enrubescida fui cantar
           Uma canção de mulher
           Que o bem querer
           Fez tão feliz

           Meu amor
           Tu és a causa
           Desta timidez
           Que toda vez
           Me deixa assim
           Corada, jogada,
           Apaixonada
           Por não ser dona
           De mim .



            .........................................



           Outra Primavera



           Ah! Quem me dera
           Outra primavera
           Pra esperar a espera
           De te ver chegar

           E os passarinhos
           Deixassem seus ninhos
           E me avisassem
           Ao te ver passar

           E eu pudesse
           Distrair meus ais
           Em notas musicais
           Que já te ouví cantar

           Eu cantaria
           Eternamente agora
           Como alguém que chora
           De se alegrar

           Tu voltarias
           Para os braços meus
           Como alguém que parte
           Sem dizer adeus .



           .......................................



           Passageira


           Passageira entre nós
           Viajante de mim
           Tem o corpo assanhado
           E as mãos de cetim

           Era um vaso quebrado
           Uma flôr sem jardim
           Um cigarro apagado
           A bebida ruim

           Foi surgindo de novo
           Renascendo aos meus beijos
           Desejou tantas coisas
           Transformou-se em desejos

           Se fundiu no meu corpo
           Penetrou nas entranhas
           Confundiu minha alma
           Com vontades estranhas

           Semeou ventanias
           Espalhou temporais
           Machucou o meu corpo
           Fez lesões corporais

           Seduziu o diabo
           Azedou meu licor
           Hoje risca e rabisca
           Os meus versos de amor .



            .......................................


        
            O amor


            Sol das divindade
            Luz das fantasias
            Fonte de mistérios
            Ou das sabedorias

            Quero os teus navios
            Mesmo em mar bravio
            Ou o teu perfume
            Nas manhãs de estio

            Amor
            Eu te venero assim
            Todo dentro de mim
            Fervente de harmonias

            Amor
            E por mais que eu não queira
            Encontras as maneiras
            Prá eu me embriagar

            Vens me fazer feliz
            Às vezes faz chorar
            Me trás as melodias
            Prá que eu possa cantar

            Eu sei
            Que a vida vai passar
            Mil sonhos vou sonhar
            Prá nunca te esquecer

            Bem sei
            Que o mundo vai girar
            E nos multiplicar
            Em braços prisioneiros .  


        
            ............................................



             Fere


             Fere
             Pode ferir meu coração
             E torturar com as garras da paixão
             Meu peito em desatino

             Deixa
             A minha dor doer
             Meu sangue escorrer
             Toda desilusão

             Rasga
             Meu coração tão descuidado
             Que eu entreguei aos seus cuidados
             Só prá morrer de dor

              Parte
              Não há porque fingir
              Pois todo ato de partir
              Nem sempre é traidor

              Leva
              Meus beijos esquecidos
              Os sonhos não vividos
              Pra que eu te esqueça, amor .


              ............................................


        
              Velho Coração


              Companheiro de tantas andanças
              De sonhos crianças
              Não me deixe só
              Velho coração
              Não deixe que as nossas lembranças
              E a doce esperança
              Se reduza a pó
              Velho coração

              Ontem o vento da tarde
              Trouxe a primavera
              Trouxe uma canção
              E os jardins se encheram de cores
              Perfumes e flores
              Velho coração

              Os meus olhos cismados
              Ficaram molhados
              Sofrer não é justo coração
              Voce sabe que ela é indiferente
              Mas deixe que eu tente
              Mesmo sendo em vão .


              .........................................



              O Poeta


              Respeitem o poeta
              Semeador de ilusões
              É ele que faz a rima
              De rimar nossas canções

              Cuidem deste poeta
              Como se cuida de uma flor
              È ele que nos conjuga
              Pra falar do nosso amor

              Amem este poeta
              Transbordando o coração
              E mesmo quando chora
              É pra parir uma canção

              Sigam este poeta
              Por onde quer que vá
              Pois a esperança
              É daquí e é de lá

              Cantem este poeta
              Ele veio pra louvar
              A sua alegria
              É uma maneira de chorar

              Brinquem o poeta
              Ele é feito pra brincar
              A sua tristesa
              É a agonia de cantar .
            
                      
Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 25/02/2008
Alterado em 26/02/2008


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras