macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

" Infância "
     Aconteceu a vida celebrando a vida
     E fez de mim criança e imaginação
     Olhar de lince, sonho de algodão
     E uma curiosidade de ave de arribação

     Então eu aprendí driblar a chuva
     Andar de mãos atadas com o momento
     Ter a eternidade em um segundo
     E a felicidade como um movimento

     As borboletas da alma imperavam
     Quando era para louvar a fantasia
     Como um punhado de plumas brincalhonas
     Que vinham festejar o lindo dia

     Banhado de alecrim e menta
     Cantava como um verso solto ao vento
     A brisa fresca do universo
     Refrigerava-me em luz e sentimento

     Compreendí  que era alma, e o corpo
     Era um apêndice de amáveis alegorias
     Que eu usava e que servia
     Para multiplicar as minhas alegrias

     Quando o belo anjo vinha mostrar
     A fada, a noite, os vagalumes
     Eu adormecia abraçado
     Entre estrelas e perfumes

     Se a noite vinha brincar de cobra cega
     Lembrando que há o momento da escuridão
     Pedia à chuva e ao sol um arco íris
     Que me carregasse em sua mão!


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 29/11/2007
Alterado em 30/11/2007


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras