macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Dedicada




Fale-me dos teus versos, poeta
Na canção que vem, no coração do vento
Nos pássaros que brincam de amanhecer
Nas águas turvas, nas fontes cristalinas

Ouvirei tuas palavras como musica
Cantando a claridade das manhãs
Ou como uma floresta de cedros
Conversando com o vento

Amanheces como a estrela guia
Para tornar mais belo o dia
És assim como a doçura
Dos doces do Líbano

Amiga e luz
Brilhando entre o oriente e ocidente
Como esquecer um verso teu?



A uma poeta que só precisa declamar versos
Muito querida, Astir Carr



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 01/01/2020


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras