macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Dedicada




Fale-me dos teus versos, poeta
Na canção que vem, no coração do vento
Nos pássaros que brincam de amanhecer
Nas águas turvas, nas fontes cristalinas

Ouvirei tuas palavras como musica
Cantando a claridade das manhãs
Ou como uma floresta de cedros
Conversando com o vento

Amanheces como a estrela guia
Para tornar mais belo o dia
És assim como a doçura
Dos doces do Líbano

Amiga e luz
Brilhando entre o oriente e ocidente
Como esquecer um verso teu?



A uma poeta que só precisa declamar versos
Muito querida, Astir Carr



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 01/01/2020
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras