macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

A cabra e o Sábio
Era claro o dia quando Zaô despertou da sonolencia espiritual.
Durante anos, se refugiara na caverna estreita, se alimentando de cogumelos, larvas, formigas, líquens, e tudo aquilo   que pudesse mantê-lo vivo, e longe do olhar humano.
Queria extrair do isolamento e da meditação, uma resposta para as complexidades da existencia.

A cabra amiga perdendo-se das companheiras, veio lhe trazer alegria, irmã tão desejada.
Tinha as têtas repletas de leite, e o úbere saliente como o das mulheres provocadoras de amor.

Como a adivinhar-lhe a fome, ofereceu-lhe a mama quente, macia e repleta de vida.
Pareciam os seios formosos das mulheres amadas de outrora.

Aconteceu-lhe então, uma revolução incontrolável dos sentidos: Os perfumes trouxeram as cores, das cores surgiram as musicas, e com as musicas, os salões e os cavalheiros com suas mulheres de olhos de seda e bocas de amoras silvestres.
E o descontrole tomou o seu corpo, incorporou uma chama lúcida, e houve uma explosão de iluminamento.

E em estado de iluminação, compreendeu Zaô que da natureza dos porcos é a lama, do cavalo a grama, do homem a luxúria.

Se colocarem uma porquinha ao nascer, em um palácio, banhá-la todos os dias, perfumá-la, colocar-lhe pérolas no percoço, diamantes nas orelhas e cuidá-la dentro de um salão, pisando em bordados persas, ela será feliz.
Se um dia porém, ela tomar conhecimento do lixo, do lôdo, ela abandonará tudo e escolherá a sujeira. Alí verdadeiramente ela será feliz: Com a sua natureza.

O cavalo abandonaria tudo pela liberdade e o capim das pradarias.
O abutre pela carne em decomposição!

Só o homem teve audácia e liberdade de afrontar a propria essência, e criar paraísos superficiais para mascarar a simplicidade da vida;
E se transformar na mais infeliz e contraditória obra da natureza.

Apanhou o que sobrou das suas lembranças! Aquele refúgio ja não lhe pertencia.

Havia diante de sí, a imensa luz do mundo!

Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 27/08/2007
Alterado em 29/12/2010


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras