macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Presságios



Brilham como pérolas as lágrimas dos amantes, e a frase final se eternizou no olhar.

Ainda que a noite escura recupere os fragmentos do último beijo, e o nosso definitivo abraço ainda queime o nosso corpo, respiraremos.

Ainda vigiaremos outras tardes se debruçarem no colo da noite. Sonharemos em cada raio de luar uma estrela, e cada página do livro declamará um verso de tristeza ou alegria, nas estrofes da vida.

A esperança vale mais que a neve densa, despenhadeiros profundos, e a solidão sem fim.
O sonho anoitece e volta a brilhar com a claridade de um outro amanhecer.

A vida imita a volatilidade das nuvens. Nada é eterno debaixo do sol.

Mas o amor se fez e descansa feliz em seus braços, como um filho amado, com ternura e paz.

Esta, é a luz que se veste a cada manhã, com o esplendor do sol.  




Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 15/02/2018


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras