macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Murmúrios

Guardei na minha boca os teus beijos
Nos braços os abraços amorosos
Na alma ainda murmuram teus desejos
E me vences em batalhas gloriosas

Até nas minhas noites mal dormidas
Ressurgem teus amores fascinantes
E ébrio de ciúmes vejo amantes
Vencidos aos teus pés como fiquei

É assim esta agonia, é assim esta saudade
É ânsia de querer os teus abraços
O mundo me sugou a seiva toda
Ficaram tão somente alguns bagaços

Quantos, foram tantos, já nem sei
Que me festejaram docemente
Fui o corpo amigo e mais ardente
Mas na tua chama me queimei

Me venha, me perfumo, me remoço
Me fale estas palavras amorosas
Me deite em primaveras odorosas
Acende este encanto outra vez

Me tome em teus braços homicidas
Sacia a tua fome por inteiro
Há muito eu me cuido pra esta hora
Me faça o teu repasto derradeiro.-


****************


CIÚMES DA LUA


Porque a noite está tão fria
O luar se refugia
No calor da minha amada
Pra rimar sua poesia

Quando a noite vem chegando
Eu vigio os passos dela
Que procura a bem amada
Desenhando uma aquarela

E aparece tão serena
E desdenha este cantor
Indiscreta não dá conta
Que importuna o meu amor

Olho a lua enciumada
Debruçar sobre a janela
Vejo a lua descuidada
A cuidar dos sonhos dela .-


****************


PRÁ TE AMAR BEM MAIS


Dias com sabor de vento
Noites com fugas de paz
A vida corre inexistente
Amo e não te amo mais

Mares arrebentados
Procuram em vão o cais
Velas buscam calmarias
Não te velejo mais

Nossas docilidades
Raras antiguidades
Museus já esquecidos
Que não visito mais

As paisagens mortas
Calam todos seus ais
Fechei todas as portas
Não te verei jamais

Meus sentimentos choram
Feridos por teus punhais
Coração dilacerado
Odeia prá te amar bem mais .-


****************


TEU OLHAR


Teu olhar de verdes cores
Tem a cor da calmaria
De um sol deitado num lago
Na hora da Ave Maria
É como alguem que adormece
Nos braços da estrela guia

Me faz lembrar as campinas
Me arrasta com os arvoredos
É luar por trás dos montes
Guardando tantos segredos
É como a nau que se perde
Prá ir quedar nos rochedos

Teu olhar de verdes cores
Navegou tantos destinos
Cruzou caminhos e vales
Certezas e descaminhos
Pra escravizar docemente
Meu coração de menino .-


****************
Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 08/08/2007
Alterado em 08/08/2007


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras