macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Toda nascente é sagrada


A nascente é a filha singela do útero da terra.
Brotando de suas entranhas, vem irrigá-la, perfumando as matas e refrescando a vida.

É ela que humildemente embala a canção da natureza, e se evaporando ao calor do sol, traz a alegria da chuva.

Os Romanos no grande império, nos confins da terra, faziam festas quando descobriam um fio de água. Consideravam o achado um bom "augúrio", que merecia ser comemorado.
Foram eles que ensinaram o valor da agua que brota da terra, e mostraram ao mundo antigo, o poder das aguas minerais para bebida e banho, com seus chafarizes e suas termas.

Os Druidas faziam de suas nascentes de agua, santuários intocados. Sabiam que a água correndo, era o fluído de santidade carregando alegria, abençoando e rejuvenescendo a terra com o hálito de deus.

Os povos da floresta afirmam que um córrego de água é uma veia do "grande pai". Sai do seio da divindade, circula a natureza, vai brincar de nuvem e volta, para fazer perfeito o circulo da vida.
Maltratar um fio de água, é profanar o corpo sadio da mãe natureza. Uma ofensa grave ao criador.

Da memória dos antigos com sua sabedoria popular ouví: Há tanta miséria espiritual no coração de uma criatura que não cuida desta dádiva de deus, que a insensibilidade o torna um animal incompleto, irracional e imperfeito. Nasceu deserto. Não merece o respeito dos homens nem a ternura divina.

E que nenhuma criatura, com exceção do homem imperfeito, tem corajem de agredir esta benção que anuncia e permite o germinar da vida.

Quem assassina uma nascente de água, mata um córrego, empobrece o rio, esteriliza a terra. Comete um crime contra a humanidade.

Causa espanto aos olhos do "novo homem" que está surgindo, um córrego sujo, suplicando ajuda;
Causa horror ao coração do homem espiritualizado, a indiferença conformista do predador irracional, o "assassino de águas".

Os belos de espirito que chegam para habitar o planeta, começam a olhar a nascente como a "flor das águas", que vai formar o canteiro dos rios, e o jardim dos mares.

E que é a irmã dos animais, mãe dos peixes e cúmplice da vida!

Por ser frágil, não ter como se defender, tem que ser cuidada como uma criancinha risonha: O presentinho do ventre da terra.

Para ser amada e preservada como o mais valioso diamante:

É o tesouro da terra!.





Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 18/06/2007


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras