macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Queixa



Ando meio descuidado. Desacreditado de mim.
Os meus olhos estão perdendo o brilho.
Meu espirito desarticulou-se. Pareço um dançarino bêbado.

Ontem, tropecei em um automóvel parado!

Falta-me o apetite. Minha saliva está secando.
Não estou conseguindo comer nem 'aquilo".
A minha casa parece vazia. Sou um deserto de solidão.

Sinto minha cama forrada de arame farpado, e
Vejo em minha mulher a anatomia de um faquir.

Perverso é o amor quando se acaba,
O mundo parece um serpentário!

Não usarei drogas para fugir da realidade, nunca, nunquete!
Assassinar-me, não faz a minha cabeça!

Deus meu, o que está acontecendo com a minha vida?
De dissabor em dissabor, onde irei ancorar minhas caravelas?

Acredito estar precisando de um novo amor!



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 29/05/2015


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras