macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Destino


            A brisa fresca da manhã vem acordar o tempo que ficou pra trás, na memória.
            Depois outra noite, e a expectativa do sono ausente.

            Algum fantasma virá me aborrecer na calada da madrugada, quando a vigília me abraçar para uma dança antiga?

            Quanto tempo procuro por um momento de misericórdia!

            Queria esquecer tudo - O passado, e não lembrar que existe futuro.

            Para o dia de hoje, contorno as minhas dores!

            Imagens se constroem neste festival engraçado de espantalhos e cores.
            Talvez, que eu seja espuma de um sonho que outro deus sonhou;
            Uma paisagem que outro olhar turvou.

            Caminho inexorável entre miasmas e seres de carne, osso e
sonhos.

            Sem içar as minhas velas, nunca vou chegar ao cais.

            A vida é uma certeza, incerta!



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 04/05/2015
Alterado em 05/06/2015


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras