macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Renascimento


Não é apenas pelo mar
Ou pelas algas e os galeões
Onde repousam os dobrões de ouro
Pérolas raras e fina prata
Longe, esquecidos tesouros antigos
Não perturbados pelo olhar dos homens

Vê como as baleias aos montões
Se despedaçam contra os rochedos?
Já não vale a pena esse viver
Entre os mistérios e desolações

Urge, impávido, um terremoto
Causando espanto e ranger de dentes
Virando a terra toda pelo avesso
Silenciando o mal das nossas bocas

Mais tarde, assim, um sol de ouro
Penetre nuvens, acalme o vulcão
Prenhe a terra, outra vez prenhe
De relva, de chuva, de pão .



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 13/10/2014


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras