macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Conspiração



Conspiro contra o amor negado!
Pois que ele habitará as casas vazias, virá em solidão, feito em tristesa, como o moinho que não moe o grão da felicidade!
Conspiro contra a indiferença que ele trás no olhar vazio, no olhar sem lágrimas. Coisa qualquer que seja alegria!

Conspiro contra o mal que ele faz!
Embora tenha a boca faminta, não se alimenta, e não alimenta bocas, nem braços, nem sonhos. Não promove a essência da vida!

Na calada da noite, conspiro com as mulheres que dividem seu leito, para que o amor se faça e remoce o amanhecer, o corpo saciado, o espirito livre!

Conspiro com os homens libertos, de coração limpo e alma santificada!
Na multidão conspiro, no campo em flor conspiro, nos lugares sagrados, conspiro!

O amor foi feito para ser disperso sem algemas e sem lei. Livre de obstáculos, como a ventania, que sacode arvores e arranca as sementes, e espalha, para fecundar a terra!





Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 22/02/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras