macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

O Brasil tem prisão de Ventre?
Estava ontem imaginando como começar o meu diário. Uma
preguiça... deprimido... (deprimido é estar na fossa), é
como se falava antigamente, nos anos setenta.

Ao meu lado, com seu belo cachimbo Italiano, e um fumo
Irlandêz dos mais perfumados, Velhajovem parecia defumar
a casa contra o ôlho mal, e para afastar as larvar astrais
que estão sufocando o planeta e principalmente o nosso
Brasil.

Lambendo as suas mãos, o perdigueiro manso que se chama
Mussolini, e a seus pés o violento Mastin Napolitano que
se chama Ghandi. Acostumaram-se a mim. Sou de casa!
Com os outros, Ghandi é encrenqueiro, se pudesse, dilaceraria o mundo.
Fico encabulado por tamanha ira. Deixa pra lá!

"Se eu tivesse dinheiro lá fora, afirma velhajovem, nos
bancos dos capitalistas, eu traria de volta para o Brasil!
Compraria muito ouro, terras a perder de vista, pedras
preciosas, antiguidades, uma industria de remédios, para
vender remédios contra as crises nervosas, ouro e muito
ouro, principalmente ouro, e o tal remédio contra as crises de nervos, porque vai haver chôro e ranger de ossos,
e delírios epiléticos.

O Império do Norte, se aquilo pode ser chamado de Império,
não demora vai para o beleléu.
É só observar como a Europa esta se organizando, que qualquer analista econômico, se não fôr totalmente tapado,
perceberia que a Europa está se "blindando" contra a quebradeira geral, que o "Imperio" vai arrastar consigo!

Aquele monte de notas verdes que eu guardava debaixo do
colchão, virou ouro. É a coisa que eu mais amo. Já tentei
até fabrica-lo, mas fabricar um ouro verdadeiro não compensa, pelos altos custos.
Conseguí uma imitação razoável, e muitos foram para as masmorras na Inglaterra, pela minha falha, e vontade de enriquecer a qualquer custo.
Não me arrependo, eram todos ladrões piores que eu. Todo
oportunista é um ladrão. Bem feito!

Tem muito dinheiro de Brasileiro "Bitelão" lá fora. Se uma
parte voltasse para o paíz e fôsse aplicado na produção,
este Brasil ia virar um canteiro enorme de obras. Obra prá
todo lado, para a direita e até para a esquerda.
Ninguem ia dizer, nem os africanos, que o Brasil tem prisão
de ventre, vive encalhado, e não consegue obras há pelo menos vinte anos: nem mesmo aquelas pequeninas obras, "aquelas", que se escondem timidamente nas dobras hemorroidárias!

O BRASIL TEM PRISÃO DE VENTRE? PORQUE NÃO OBRAMOS?
O Império do Norte quebra ou não quebra?

Velhajovem se exalta! É o delírio do ouro, delírio mercurial dos Alquimistas!

E se o Governo Brasileiro facilitasse a volta deste capital, na forma de uma anistia bem feita, com um impostozinho para os cofres da nação?
Não vejo imoralidade neste gesto. Imoral é pagar juros de
l3% aos agiotas internacionais. Isto sim, é a exaltação da
imoralidade!

Duelo com todas as armas!

Se a coisa ficar muito feia quando o Império balançar, e a
gente começar a ver aqueles financistas se lançando de cima
dos prédios de Wall Street, suplicando para morrer, nós
poderemos ir para Santa L. na propriedade do B. , aquele
príncipe de sabedoria e refinamento.

Com ele nós poderemos aprender os belos mandamentos de convivência e amor, entre nós, homens e animais; arvores e
córregos; chuva e sol. E os seus filhinhos ganharão uma
aparencia saudavel. Até este efeminamento que está alisando
o meu corpo pelo sedentarismo, vai se dissipar. Difícil
mesmo, é não se tornar um pouco feminino na presença daquela criatura: Como é belo!

E só come ovo de galinha caipira com aipim manteiga. Inhame
rosa e muita fôlha verde.

E dorme com as galinhas e acorda com o canto do galo.

E só bebe agua doce na nascente!


Conseguiremos imitá-lo?


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 20/12/2006
Alterado em 17/04/2007


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras