macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Os Jardins de Carolina
  O Jardineiro Invisível

O jardineiro invisível
Comanda seus batalhões
Uns que dão cheiro às orquídeas
Outros, aos manjericões

No batalhão tem pintores
Com seus pinceis encantados
Pintam bromélias vaidosas
E cravos encabulados



************************


  Pingos


A chuva quando acontece
No dorso das margaridas
No colo dos girassóis
Que vivem sempre a bailar
Pingos, palhaços sorrindo
Dão piruetas no ar


*************************


  Devaneio


Aquí o vento sussurra
Doce canção de ninar
Entre suspiros de fadas
Prontas para bailar
Serão árias de Puccini
Ou bandolins de Vivaldi?


***************************


  Leque do dia


Ainda que as flores sorrissem
Brincando como meninas
Abrindo o leque de um dia
Bordado de bailarinas

Me lembrariam as rosas
Humildes, tão pequeninas
Iluminando as Marias
Luzias e Carolinas


****************************


A aranha Sabrina


A aranha Sabrina
Já teceu sua teia
Casou pé de arnica
Com galho de limão

Respeitando as abelhas
Enganando ao João
Foi armar sua rede
No velho alçapão


***************************


     Rosa


Rosa que já foi Rosinha
Rosa que não quís ser flor
Rosa que foi ser mulher
Rosa prá morrer de amor


***************************



        Pureza


E se passares por estes canteiros
E pátios brindados de flores
Lavai a alma, lavai os olhos
E silencia...

É na calma da hortelã
Nas passadas das codornizes
Que a alma, feliz
Quer falar ao coração



***************************



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 25/05/2010
Alterado em 25/01/2011


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras