macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Desde que te ví



Desde que te ví
Os meus olhos incendiaram
E estes olhos acostumados ao amor
Te foram seguindo conforme
As emoções das pisadas
Com que eu ia te encontrar

Daí que a chama ardente dos meus olhos
Luz que acende o peito e desperta a alma
Mostrou-me o que era verdadeiro
O que não oferecia dúvidas

Surgiu a inquietude
Uma vontade imensa de lutar
As bandeiras tremulavam
Umas para a guerra
A mais singela para a paz

Uma vontade de erguer barricadas
Atravessar fronteiras
Jogar este velho mundo fora
E construir outro melhor
Com um olhar de carinho
Teu e meu

Então paralisei teus olhos
Para libertar o lume do teu olhar
E carregar teus olhos dentro dos meus
Como dois faróis completados
Para enxergarmos os dias escuros
E as noites sombrias
A primavera do mundo
E os domicilios da felicidade

E nunca mais eu fui o mesmo
Nesta necessidade incontrolável de ti
Desde que te vi
Desde que te amei



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 10/05/2010
Alterado em 20/09/2010


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras