macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Poema sem nome


Venho de longe, porque venho tanto
Venho da noite, que a noite é tanto
Venho descoberto de dúvidas
Porque a vida é mais

Venho sacramentar odores do corpo
Que deixei grudado ao corpo teu
Venho para te livrar de mim
E te tomar de novo

Venho revitalizar as vísceras
Trazer luz ao seu perdido olhar
Venho consertar seus membros
Que ficaram fora de lugar .


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 04/04/2010
Alterado em 13/04/2012


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras