macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Cabeça Limpa


Limpei a minha cabeça
Deixei fugir Platão e Hegesias
Eurípedes e Plauto baní do meu convívio
Abaixo a tragédia Grega e a comédia Latina
Quem escreve os textos da minha vida agora, sou eu

E prá que tanta filosofia guardei, meu Deus?
Se isso só serve para embaralhar o cérebro
Trazer avesso de perfume às axilas
E o tal distúrbio do neuro-vegetativo?

E prá que tanto pensamento, vida
E tanta escuma na boca de orador
De ódio, tédio, impertinência
Ja viram sorriso pleno em boca de pensador?

Não dei ouvidos ao Schopenhauer, ainda bem
Que quís fazer inimizade entre eu e as mulheres
Dizendo que a fêmea se resume apenas
Em um feixe de nervos e um punhado de cabelos.
Maldito seja o que não captou a alma feminina
Não buliu com a "canequinha" de mel
(Passou pela vida e não lambeu)

Vinde a mim Puccini, Vivaldi e Paganini
Ameixas, vinhos e muito fettuccini
E o sorriso das moças de trigo
Das ilhas de Santorini

O que eu preciso daquí pra diante
É ver chuva e sol brincando de arco íris
(Na maior orgia amorosa)
Dentro dos olhos encantados de Deus.



" Livre pensar é não pensar "
       ( zé canjica )




Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 11/01/2010
Alterado em 11/01/2010


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras