macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Enigmática



Então eu perguntei ao anjo que habita o fim do mundo:
Como escrever um verso que contemple a vida e a morte
O sonho amargo, o despertamento indócil
As cartas dos antigos declinando a sorte?

De onde vem a solidão de um verso
Se a alma, que é gêmea da poesia
Quer dançar na eternidade, apenas
O seu momento breve de alegria?

Porque só o sofrimento constrói o álibi
Da lágrima, que humildemente lava a alma
E o grito somente distrai o coração
O homem não consegue ir além do homem?

Que força estranha move um canto
Em graça, movimento e fino odor
Que fustiga os confins da existencia
E abraça a musica e a flor?

De onde virá a palavra, o gesto, o bálsamo
Que abrandará o dor dos homens?

E ele não me respondeu,
Discretamente não me respondeu!


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 06/11/2009


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras