macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Meu Coração



Meu coração é um verso esquecido
Pleno de amor e nunca revelado
Que adormece sempre em noites frias
Pelos teus lábios, nunca declamado!

Meu coração é como uma abadia
Guardando a confissão de todas as Marias
E tem um anjo bom que anoitece
Entrelaçado com as romarias.

Meu coração é como um relicário
Que guarda espelhos multifacetados
Muitos olhares que já se perderam
E se embaçam quando são mirados.

Meu coração é como nau sem rumo
Que viu um dia a onda enlouquecer
E quer partir num dia de domingo
E não ter tempo pra se arrepender.

Meu coração é como labareda
Que assopra o fogo para crepitar
Depois que a noite vira pelo avesso
Ainda a brasa morta vem queimar.

Meu coração é como uma armadilha
Que deu um salto e escapuliu da ilha
Plantando flores, enfeitando o chão
Espera o amor sorrindo em uma trilha.



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 01/08/2008


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras