macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Um Casal Indeciso


Em frente à minha janela, parece que quer habitar, um caga sebo doido, e a namorada dele, mais desajeitada ainda.
Há pelo menos dois anos, que os vejo tentando fazer um ninho, em uma arvore de Leucênia, nascida ao acaso, no jardim.
È engraçado o comportamento deles, por isso passei a observà-los atentamente:
A matéria prima para o ninho, eles conseguem nas árvores vizinhas, e o capim, no próprio jardim.

É de se encantar o bailado que fazem, a celebração: Parecem deuses olímpicos!
É lindo vê-los, com seus galhos e seus trapinhos, e as folhagens lavradas com o bico. Parecem feitas de seda.

O fato é que eles nunca chegaram a um acordo sobre o ajuste do ninho. Começam pela manhã, eufóricos para terminar, e ao começar o entardecer, alegremente começam a desconstruí-lo, misteriosamente.

Pensei que fosse maldade dos outros passarinhos, com inveja, querendo sacanear meus meninos, mas não notei nenhum movimento neste sentido. Entra ano e sai ano, e a novela continua.
Nestes dias de feriado prolongado eu fiquei de olho aberto. Usei até binóculo para ver melhor.
O problema é unico e somente entre os dois: O mistério é o ninho!

Imaginava, pela incomodação dos Bem-te-vís, mas também não é. Os lugares da arvore onde eles começam o ninho, nas pontas dos galhos, é onde estes pássaros não conseguem equílibrio para atacar os ovos ou os filhotes.

Começo a acreditar que seja um casal gay. Esta hipótese leva jeito!
Mas, como afirmar sobre as virtudes da natureza, os códigos secretos de Deus?
Pela alegria esfuziante eu diria que sim. Ó céus, já estou querendo ir longe demais!

Cheguei a fazer uma experiência: Coloquei algumas fitas coloridas, linhas de varias cores e pendurei no galho. Não é que eles foram ao delírio?
Só que ao invéz de construirem o ninho, penduraram caprichosamente os adereços.
A árvore ficou parecendo arrumada para noite de São João.

Já imaginei mil coisas:
- Pode ser uma estratégia para ficar mais perto da vasilha com água açucarada;
- Estão querendo a consagração como artistas plásticos;
- Um ato contínuo de protesto contra a destruição da natureza;
- Ou que até os passarinhos estão perdendo a noção do equilíbrio, neste mundo comandado por máquinas e pessoas, que perderam a conexão com as coisas divinas!

Creio que dei muito boa vida a eles. A comida, encontram nas arvores. Quando querem uma água doce, fazem a festa no bebedouro do beija-flor, e ainda forneço água para o banho. Coloco uma vasilha cheia, e fazem uma algazarra durante o dia.

Também penso, que seja um casal de caga sebos moderno!
Acho que não querem filhos. O ninho é para disfarçar, e dizer aos outros pares, que eles estão tentando, mas o ninho nunca fica pronto.

E como são felizes! Parece que é o casalzinho que mais se ama nas redondezas. E como canta o meu "Pavarotti" de asas.

Deus abençõe o meu caga-sebinho doido e a caga-sebinho maluca!

São os que mais perto de mim estão, apesar de nunca fazerem um ninho e botar ovos, e me darem de presente um filhotezinho para encantar meus olhos, me fazendo lembrar, que ainda tenho alguma generosidade de criança.





Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 30/06/2008


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras