macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

A oficina da Morte
Não há porque tanto pano e tanta roupa inútil.
O mosquito misturado à cortina, não me deixa dormir.
Vem raptar o meu sangue, num duelo de sobrevivência.

No silencio da madrugada ouço gritos de aves sendo abatidas.

O corpo é tragado pela máquina. Pena para um lado, sangue para o
outro, numa fanfarra de vampiros tortos. Coisa nauseabunda!
O cheiro é infectante. Enoja o sentimento de humanidade.

Existe um carrasco solto na madrugada - Sem culpa e sem mágoa,
Nutrido da indiferença humana.

Deveriam respeitar as madrugadas, o silencio tem ouvidos!

Amanhã comerei aqueles gritos - Beberei aquelas angústias,
Sou cúmplice daquela barbárie!

Todos comeremos aquela carne aterrorizada e ainda diremos:
Sou vegetariano, me alimento de carne branca.
Como se a galinácea fosse um repolho cantante, condenado ao
deleite dos homens, e autorizado pelas sagradas escrituras!

Ó impiedosa humanidade, a misericordia é um semblante desconhecido!

Porque estas ansiedades por cadáveres e naturezas mortas?

Não merecemos muito: O homem é um animal sedento de sangue;
Inventor de sofrimentos!

Bendita seja a dor, e o desencanto nosso de cada dia!
Vem vingar o martírio da galinha e do gado: Tudo se paga!

O diabetes e a esquizofrenia espreitam nas esquinas;
É o envenenamento das artérias, brincando com um cálice de sangue.

Um grito incomoda minha garganta - Um mosquito me faz meditar!

Devora-me que te devoro! - Não existe um pacto pela vida;

Uma moratória para o coração!!!


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 07/01/2008
Alterado em 16/01/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras