macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

" O meu Catarrentinho "



         Lá vai meu Catarrentinho
         Trotando pra fazer graça
         Pautado em duas notas
         Risonho sem ser pirraça

         Lá vai meu Catarrentinho
         Parece que é santidade
         Carrega por entre as pernas
         As flores da castidade
         E como são perfumosas
         No jardim da virgindade

         Já vem meu Catarrentim
         Tomar chá de xirimbeira
         Comeu uma embolada
         Vitória da caganeira

         Depois fez a pirueta
         Desapareceu no ar
         Deu uma disfarçadinha
         E trouxe o azul do mar

         Lá vai meu Catarrentinho
         Delírio dos sonhos meus
         Não pensa em jogar bola
         Enfim um, graças a Deus!

         Lá vai meu Catarrentinho
         Portando uma luneta
         Já fez uma ameaça:
         Que vai salvar o planeta
         Fazendo a terra voltar
         Ao tempo da ampulheta

         Já vem meu Catarrentim
         Confuso que nem eclipse
         Já leu Dante Alighieri
         E o tal do apocalipse

         Sonhou ser um pirilampo
         Iluminar noite afora
         Quer morar num presepinho
         Abraçar Nossa Senhora

         Lá vai meu Catarrentinho
         Estudar para ser rico
         Não quer ser como o pai
         Que vive de fazer bico

         Lá vai meu Catarrentinho
         Pisando uma valsinha
         Tem porte de bailarino
         Ó meu Deus, que gracinha!!!
         Parece um anjinho cálido
         Acendendo uma estrelinha

         Já vem meu Catarrentim
         Maldizem, que "leva jeito"
         Vem tropeçando no salto
         Exige muito respeito

         Com a viola e um laço
         Foi enlaçar o amor
         A lua quando é vistosa
         Ajuda o namorador

         Lá vai meu Catarrentinho
         Deve apaixonadinho estar
         Donzela feita de mimo
         Amor pra nunca acabar

         Lá vai meu Catarrentinho
         Partiu com nó na goela
         Agora é cria do mundo
         Finquei dor na espinhela
         Criei pra ser purpurina
         Cobriu-se de uma aquarela

         Já vem meu Catarrentim
         Brincando com as tramelas
         Se trancaram suas portas
         Eu abro minhas janelas .


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 01/01/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras