macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

" Bela "

       Bela que tanto rí
       Bela que tanto assanha
       Com seu vestido de rosas
       Faz fulgorosa a manhã

       Bela que descaminha
       Bela que despenteia
       Trás um espelho n'alma
       E luz que incendeia

       Um dia é caprichosa
       Outro, feito menina
       Juro que bamboleia
       Fogo que me ilumina

       Disse que me namora
       Finge que quer casar
       Pensa que acredito
       Mente pra me agradar

       Disse que vai embora
       Pra conhecer o mar
       A tarde empalidece
       Nem uma estrela a brilhar

       Tudo quanto é quimera
       Tudo que fez sonhar
       Foi soluçar na areia
       Bela não quís voltar .


      
      
Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 29/10/2007
Alterado em 30/10/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras