macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Das ilusões


Deixei meus sonhos
Serem maiores que eu.
Real não fui, ou fui real?
Indago ao passante
Que flui na vida,
Depois desmancha no horizonte

Sonhar foi bom,
Pois quando o sol se punha
Por um renque de luz,
Haviam estrelas
Me iluminavam luares.
Eu inventava mundos.

Não fui maior
Que as minhas ilusões.
Meus castelos tinham salões iluminados
E alamedas eternamente floridas.

Sonhar sonhei, não foi em vão
Meus olhos me fizeram o que não fui.

Vai longe a vida correndo,
Sem nunca olhar pra trás
E segue como um bando
De cavalos selvagens,
Buscando outras pradarias.

Vai longe a vida de outros, não a minha,
Que de longe cisma a estrada.




















































































Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 20/06/2018
Alterado em 21/06/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras