macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Fuga




Em minha volta, vejo tudo envelhecer.
A cidade, as árvores que guardam folhas mortas, e cemitérios.

Ouço minha avó declamando sonetos centenários, e nenhum mosteiro Beneditino que me traga algum mantra de paz.

O Hippies fugiram de Nova York, e as passeatas, de Paris.
Os Monges vestidos de amarelo, não perfumam incensos pelas ruas do Rio de janeiro.

Os passos do ano de mil novecentos e setenta e dois, se arrastam em pernas velhas e corpos corrompidos.

O sangue vai envelhecendo nas veias das avenidas, vai enferrujando o tráfico, vai multiplicando o trágico e envenenando o pulmão do mundo.

Toda virtude foi castigada. Os poetas se perderam dos versos. Tudo respira tédio e solidão.

Vai a noite ainda. Vai e não foi, o que já foi um dia, o sorriso de um sol que se apagou.  





Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 05/02/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras