macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Confissões à vida



Que eu não sinta vergonha de te olhar nos olhos, vida.
Que eu não tenha vergonha de mim!
Por ser rude, e não compreender o recado dos homens,
que eu não ouça o clamor dos que exigem de mim,
o que eu não tenho pra dar.

Que eu seja livre para dizer sim e não,
e ter a liberdade como um guia,
a esperança como mensageira,
a paz como virtude.

Que eu caminhe como o vento,
sem medo e sem cólera.
E que a mágoa desfaleça,
ao meu sorriso.

Que eu não sinta receio da criança que fui,
nem do velho que um dia serei.
Que eu conviva com a virtude e o pecado,
como metades de mim.

Que eu anuncie a sagração da terra,
em tudo que respira, movimenta e sonha.
Que eu seja como uma flor generosa,
brotando feliz em qualquer lugar.









Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 30/10/2017
Alterado em 30/10/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras