macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Dedicada



Amada,
Sinto-me tão frágil
Ao te ver assim, cheia de graça
Plena, daquilo que preciso
Para ser feliz

Eu te vejo,
Como flor surgida da terra
Dos bosques onde florescem
As primaveras

Pulsas em mim
Como um sangue juvenil
Que penetrou nas veias
E semeou colheita farta
No coração

Este amor demais
Veio como um vendaval
Desarrumou os velhos hábitos
fez acontecer, o novo

Do amor nascente
Sinto a boa seiva
Entornada em minha boca
Meu corpo trêmulo remoçando
de prazer





Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 25/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras