macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

" Entrevista com uma ET " - Primeira parte
                        Entrevista com uma ET*

                       "Entidade transdimensional"

                            "O DOUTOR PISSIKÓ"

Entrevistador :  João Dalfiori

Convidados :

Jairo Melancia :   " Mestre Cerimonias e animador espiritual "
Fizim Katuá    :   "  Mestre cerimonias e Conselheiro espiritual "
Mustafá Bodê  :  "  Médium "
Elegê             :  "  Oratória, Política, Assuntos Jurídicos "
Pebalbi           :  "  Animador de fogão e assuntos de ecologia "




* Esta obra, como o Personagem, estão protegida por Direitos
   Autorais - ( Fundação Biblioteca Nacional: Registro n. 398.873.


Quando Bodê me disse que esta "entidade" queria chegar, para dar o ar da graça, eu fiquei preocupado: Bodê é africano da gema, e ele europeu.
Mas são duas criaturas livres de vaidades, e os grandes espiritos estão além destas bobagens de cor.

Outra preocupação era o idioma: Bodê mal fala o português, não manja nada de esperanto.
Por outro lado, o nosso amigo tambem tem dificuldades com o nosso idioma, e pediu para que suas palavras fossem publicadas na íntegra.

Mas eu resisto, e conseguimos uma boa entrevista, após mil horas de gravação, e um texto maior que a "Divina Comédia", com a dedicação do médium, e a seriedade e empatia que logo aconteceu entre estas belas criaturas, mesmo de épocas tão diferentes.

O meu agradecimento a todos que participaram, com o esforço, a dedicação e vontade de colaboração sempre bem vinda, e sem a qual seria impossível este feito.
Todos serão citados no decorrer das entrevistas!


Dr. Pissicó, o Senhor ja ouviu falar das nossas religiões indígenas e afro-brasileiras, o que achou?  

O grande motivo de querer encarnar no brasil, é justamente parra ajudar a divulgar estes tesorros que estão por aquí, e nada se sabe deles no orropa.
Brecisamos divulgar o umbanda e o candombolé. Estas bráticas religiosas e filosóficas têm muito a contribuir com o evolução do humanidade.
Eu poder falar isso porque acompanho "in loco" tudo, no qualidade de uma esbírrita livre dos limites do carne.
Quero dar o meu contribuição!


Dr. Pissikó, como o senhor vê as religiões atuais?

As igrejas é que refrigeram a humanidade. Não concebo um mundo sem religiões: Serria o barbarie nações sem afinidades com o sagrado.
Tenho muita pena do homem sem fé. Quem não procurra apurar o seu espirito, não busca um aproximação com deus, está no lugar errado. Veio ao mundo e não se descobriu.
Vale a pena procurar uma forte amizade com os coisas divinas: Refrigerar-se!
às vezes demora um pouco chegar ao altar de deus, mas este é o maior encontro humano, a partir deste planeta, tão rico de futilidades, e tão pobre de sentimentos.
"Uma coisa me entristece": A competição entre cristãos está devorando o cristianismo: Inconcebível este situação!


Dr. Pissicó, existe um episódio nebuloso. Gostaria de esclarecer: A briga entre o Sr. e o Dr. Pissiká, foi por ciúmes, afetos e desafetos amorosos, ou tambem profissionais?


Dr. Pissiká tinha muitos bobemas eqxistenciais: Um fêmea ocupava o seu condomínio espirritual. Não zabendo se explicar, começou a inventar teorias misterriosas, até inventar uma que eu não gostei. Aliáz, não gostava de quase tudo que ela pensava ou teorizava, parra ele, até o explosão dos estrelas tinha algo em comum com o zexo do universa, o memorria do libida.
Não gostei. Ela estava ficando obsecada pelo sexo dos anjos.
Mandei ele parra o buta que barriu e fui emborra.
Ele chorou lagrimas desoladas, mas eu queria outras emoções e uma vida intelectual com bessoas jovens, faces aveludadas, zaudaveis.
Ele me aborrecia com seu velhice brematura, e não gostava de tomar banho. Horror!


Dr. Pissikó, mas o sonho dele não era despertar o kundalini?


Era um criaturra muito tensa e só relaxava após receber uma massagem calmante. Seu corpo era blindado por energias negativas, e traumas milenares. Parrecia um múmia asteca.


O senhor então aplicava-lhe aquela massagem e fazia a energia correr pelos canais sutis e liberar vida!


Sim Sim, como não? Quando acordava parecia um zigana do húngria. Querria ouvir os lamentos dos violinos zíngaros, e dos tribos vadias que passavam pelo rumênia. Despertava como cigana faceira.
Ah! Dalfiore, mas faltava a face!


O senhor apertava na base do kundalini e ela espichava?


Não não, como sim? Não é assim que se desberta o zerpente kundalini, ela apenas espreguiçava. Mas ele ficava o dia todo com felicidade.
Querria que viesse um yogue do bombaim parra despertar o Kundalini.


Depois voltaremos ao assunto. O lado cigana me deixou encabulado, podemos voltar ao assunto de seu interesse?


Sim Sim!
O que eu querria naqueles tempos era depurar o anlise do pissica, que os padres jesuítas conheciam e braticavam muito bem nos mulheres angustiadas.
Eles zabidamente usavam o analise nos confessionárrios. Era um trabalho terrapeutico e humanista. Não comercializavam este conhecimento,  já de longas datas apreciado por antigas civilizações, do pérsia e do babilônia.
O minha ideia primerra era resgatar o analise pissica, no originalidade, e com o acompanhamento das sagradas práticas desse ciencia, dirreto  do seu fonte mais límpida que é o índia.
Já era conhecida pelos brâmanes há pelo menos cinco milênios.
Os Caldeus e o egípcios tambem beberam deste sabedorria, e o jesuítas a fortaleceram no ocidente.
Eu queria o original ciencia nascida no Índia, e não a ocidentalizada pelos jesuítas, daí o confronto com os seguidores de Pissiká, que se rotulavam como os pais do criança, que na verdade ja nasceu adulta, barbudo, e muito cabelo no redor do nádegas.

Qual o futuro da analise da píssica?


É uma cavalo desdentado e batas quebradas. Está pedindo zocorro, se não evoluir vai morrer.
Querriam transformar este ciencia em um religião divina e infalível, um piada!
Quando eu chegar no brasil, vou misturrar os elementos do umbanda, do quimbanda e do candombolé - o yoga e os florais de bach - o capoerra, o congada e o carnaval - o Tantra e o macrobiótica - e os ervas do mata atlantica, principalmente o cipó cravo, o marapuama e o nó do cachorra.
O analise-piço-integral vai salvar o mundo do catastrofe existencial.
Depois ele tem que voltar para os confessionarios, onde segredos são revelados, traumas vêm à tona e são resgatados.
O bovão tem que conhecer o analise. Criar grupos de "angustiados anônimos" , vaidosos anônimos, bichas anônimas, mal-amadas anônimas, intelectuais anônimos, assim por diante.
Tem que levar estes pessoas parra os mosteiros, ouvir o canto gregorriano, os meditações e o yoga. E o tratamento com ervas medicinais.
O resto senhor sabe por se tratar de um "entendido"

Vida! Vida! Vida! O ser humana quer respirar vida!
Abaixo o cadáver da industrialização sem freios. que mata os prazeres do espirrito, e tira os encantos inefáveis do phóda!
Vida! Salvemos o mata atlantica e o florresta do amazonia; os laborratórios de vida natural, e salvem com urgencia o macaca barbado.
Gosto deste brimata porque ele me lembra o bovo alemão, lorro, forte e
virril.
Vou "organizar" o mundo com o libida deste animal encantador!


A sua prisão foi uma coisa nebulosa. Dizem que o senhor gostava de uma graninha facil. Quer falar sobre este fato?  


SimSim! Como não?
Um desgraça! Um perriodo terrivel do meu vida.
A culpa foi de um membra do partido socialista, cuja fêmea abreciava meus favores. Com ciúmes ele me denunciou com curandeiro pervertido.
Me prenderam e um grupo de boliciais resolveu profanar o minha trazeirra sagrada a todo custo.
Eu virei mefistófelis com diarreia. Libertei gases por todos os orificios, dei rabo de arraia, capoerra, quebrei todo mundo no porrada.
Ameacei estrangular o chefe de bolícia. Daí o meu martirrio. Zofrí como uma bode embarcada. Não sei como sobreviví!
Mas salvei o minha trazerra do violação zelvagem, não consentida!


Antes, O senhor tinha soltado a cascavel ?


Simsim! Como não? O jardim do orropa, o santuário de Mozart se tornou um mercearria sexual.
Quem não braticasse sexo três vezes ao dia, achava que estava doente, e ia procurrar o analise do piço para continuar o selvagerria.
Satanizaram o masturbação, e os jovens enlouquecidos, procurravam os estábulos; os vacas e os galinhas parra liberração do libida.
Como eu ia ficar calada, com aquela gentalha enriquecendo às custas do misérria do povo?


E as suas teorias?


Eu não criei nada. Tampouco inventei coisas novas. Só consultei os Alfarrábios, os livros sagrados do antiguidade, o loucurra sorridente do alma dos alquimistas, e o baciencia dos mestres do yoga.
Tudo isso ja estava, assim como o analise do pissica, os teorrias atômicas, o sexo como uma veícula de cura, os manifestações dos espíritos , o relatividade.
Até o leite de rosas erra usado pelas adolescentes Romanas para limpar o pele do rosto e dos braços, dois mil anos atrás.
Platão não concebia um vida com dorres, e receitava o ácido acetil.
Os gregos conheciam e tomavam parra os seus dorres de cabeça (pensavam muito), e nos gripes e resfriados, ou nos dores musculares após uma batalha.
O inconciente coletivo, o egrégorra dos misticos do idade média, os registros akasicos dos indianos. É tudo um questão de semântica.


Poderemos falar sobre amenidades? O senhor é um homem envolvente, e o brasileiro gosta de uma conversinha descontraída. Depois voltamos ao pissiká!


Sim... Sim... como não? Falarrei tuda com o corração aberta, sem breconceita!


E por falar nele, o senhor tem preconceito?


Não, não! Como sim?
O meu condição não bermite estes imperfeições do carrater!
Quando estava no terra sim. O breconceito é inerente às situações humanas, ao instinto de defesa e da sobrevivencia.
Imaginemos nos primórdios do civilização, nos grandes migrações, um
tribo africana e um orropeia, cada um com suas diferrenças: Virtudes e defeitos. O desconforto existia. Negar este fato serria insensatêz.
Temos que tornar possivel os diferrenças. Estamos no século vinte e hum.
Temos que suavizar os nossos corrações e nos ajudar, independente das nossas ignorancias atávicas, primais!

O que te diminui, te joga no lixo?


Os crianças do africa, mulheres e homens.
Uma multidão humana vivendo como não humanos;
Gerações perdidas, derrotadas pela fome e o descaso!
Quem nos protegerá de tão grande indiferença?
Esta culpa deve ser dividida entre os cidadãos de toda a terra!
Todos somos grandes pecadores pelo nosso desamor!
Somos todos culpados por aquela grande miséria coletiva!
Ainda podemos fazer alguma coisa se houver claridade de espirito!
Comecemos com um olhar sobre áfrica, austero, profundo!
Comecemos por este olhar. Ele nos ensinará as atitudes do coração!
A humanidade está diante de um enigma. Uma grande encruzilhada.
Existe o caminho do explendor, e a trilha da desesperança!
É chegado o momento de deixar o coração tomar  suas atitudes.
Antes que as atitudes dilacerem os corações!


O que faz o senhor cantar a "matinata" e assoviar "yestarday"?

Nestes ultimos anos veio para nossa dimensão, três criaturas capazes de iluminar a terra, e iluminaram:
A madre Tereza de Calcutá. o Chico Xavier, e o papa João Paulo.
Foi um acontecimento! Havia uma vibração indescritivel. Dificil avaliar o êxtase que cada um a seu tempo, trouxe para o portal.
Nunca ví manifestações iguais desde que estou aquí!
Feliz a época que convive com tão grandes espiritos. Se esta época abracasse com maior atenção e carinho, e as mensagens que levaram, a terra seria um lugar infinitamente melhor.
Bom que estas criaturas não fossem esquecidas, como Jesus Cristo, Profeta Maomé e senhor Buda:
São gotas de orvalho fresco das manhãs do universo!


Qual a sua primeira abordagem do ser humano?

Procuro olhar e sentir o "QA". Se o QA for generoso e bom, se for imensa, imensa é a criatura. Este é dos meus!
A "quantidade de amor" é que faz a diferença entre o grande ser; o que se eleva para o céu, e aquele que rasteja desorientado nos limites da terra.
A criatura amorosa troca canções com o infinito,
E conversa com as estrelas!

Quem se comunica, frutifica?


Existe uma grande vontade espiritual por um idioma universal!
Indiferente das forças políticas e interesses nacionais, este idioma existe e está sendo difundido pelo planeta terra.
Foi uma conquista! Poderemos nos comunicar em uma só língua.
Os outros idiomas permanecerão intactos, com a graça e o encanto de suas histórias.
Ele veio para aumentar a compreensão e fraternidade entre homens.
Tem a musicalidade dos corações e o brilho casto do diamante.
No Esperanto, o futurra!
( Um coração feliz pode abraçar o mundo )


O que é luz?


Luz é fraternidade, ternura, corações abertos, encantar-se!
Luz é Cristo, senhor Buda, Beethoven, Dante, michelangelo, Chico Xavier, madre Tereza de Calcutá.
Pessoas que iluminaram sua época, a apontaram o caminho da esperança!


Vou fazer uma pergunta indiscreta. esta dúvida atormenta a fronte do brasileiro. Senhor responde se achar conveniente!
Já levou chifres?


SimSim! Como não? Como não?
Ó vendaval de tormentas! Erra um fabricante de colônias que foi do Itália, gorda que nem um suína cabada.
Que horror encontrar aquele criaturra enorme sacolejando no colo sagrado do minha amada!
Do meu Bolonesa de braços termais, de colo quente e berfumada!
Quís matar e me amarraram. Quís morrer mas o morte se afastava!
O brimeiro chifre é inesquecivel, os outros passam despercebidos!
Imagina Zenhor Dalfiore, eu erra um criaturra ingênua.
Porque eu queria aquilo tudo só parra mim?
Aquele mulherrom, aquele exercito de beijos e manobras radicais?
Um egoísta! Bastava um bouquinho, um micharria toda noite, um parte, eu podia deixar parra os amigos.
Todos ficariam felizes, havia tanto docura naquele pote de felicidade!
Pensar nisso cornos do brasil, pensar nisso senhor Dalfior!


O senhor é muito querido pelos Gays. Como vê esta "ternura" gay ?


Eu libertar um ciencia abrisionada. Meu pensar liberta muitas criaturas engessadas, debrimidas. De certo modo eu sou uma libertaria!
Ajudo a libertar o criaturra do ignorancia que é a mãe do breconceito. Luto e sempre estarei nos barricadas, trabalhando para a alegria do humanidade!
Os gays são os boetas do alegria, e o alegria aquece o meu corração. Estarrei nos trincheiras do liberdade, do tolerancia e da amizade!
Por isso o amor que me devolvem serrá sempre bem vinda!


O que é o fanatismo?

Ninguem até hoje conseguiu entender a mecanica do fanatismo.
Ele é um sentimento transcendental. Te dou um exemplo:
Bakunin, o ilustre anarquista ficou banguelo. Poderia acariciar as suas gengivas com uma belíssima prótese de ectoplasma, no entanto continua banguelo.
Bakunão, como é chamado pelos brasileiros nunca este tão vivo, no entanto, o seu maior sonho é morrer eternamente. Só assim acredita se sentir liberto de tudo!
Apesar de saber que não tem como morrer, que é um ser imortal, não aceita esta condição.
Está voltando para o terra. Há dez anos está negociando a sua volta.
O problema é que ele só aceita encarnar auí ou no afeganistão, e com o  condição de nascer e viver banguelo: não arreda pé destas condições.
Diz que precisa de um sorriso pleno. Não sei para que Baku precisa sorrir tanto.
Temo que ele não tenha se curado do complexo de nitroglicerina!
Vejo a felicidade brilhar nos seus olhos quando está em companhia do Ascanio Sobrero (descobridor da dinamite). Parece uma criança enfeitiçada!
Entonce?


Muito trabalho no seu portal?

Trabalho tambem com aconselhamento. A terra está muito cheia de mazelas espirrituais e larvas horríveis.
Homem não querer mais o planeta, e por qualquer coisa, ele quer arrombar o porta da nossa dimensão e ficar!
É uma luta para ele voltar ao corpo físico. Temos que estar atentos parra evitar que o terra se esvasie, e o nosso portal se torne um super população!
Pensam que virrão parra cá para viverem no mordomia, ouvindo o canto uirapurú, e pisando em pedras preciosas.
Ouvem estes asneiras ditas por estes comerciantes do fé, aproveitadores de mau caráter.
Aquí trabalhamos muito. Muitos chegam procurando o ceu. Coitados! não sabem o que os espera!
Aquí quem não trabalha não come. Aquí o bambú geme e o gapoerra pega fogo. Fiquem sabedo!

Aquí em primeiro lugar : Os "deveres humanos"
Em segundo lugar é que vem os "direitos humanos".-


Voltando ao Pissiká:
E quando o seu "ladinho" feminino despertava?


Ah! Dalfiore! Aquele trazerra mal conservada, mal administrada, não acabada, erra o invenção do mal gosto!
O naturreza se esforçou ao  limite parra emprestar àquela criatura, uma bunda impossível, inexplicavel. Passei por traumas eqxistenciais, cheguei quase a conspirrar contra meu vida, não fosse os orrações, os penitencias e o jejum, eu terria me tornado cliente de um clínica de alienados!
O bior Senhor Dalfiorre, é que ela cismou em me namorrar. Um relação idílica: Andar pelos pátios de mãozinhas dadas, valsar o musica de Strauss, os mazurcas de Chopin.
Querria que eu enviasse florres. Querria até o noivado!
Bior, muita pior ainda: Querria os meus beijos!
Imagina Dalfiore, aquele cara barbuda, aquele gosto de zalzicha, aquele hálito de toucinha defumada! Fica no meu lugar parra aqueles beijos impossíveis!
Neguei-lhe meus beijos! Ele ficou possessa! Ameaçou me envenenar! Eu acreditei, porque um bicha possessa, é pior que mil Medeias atormentadas!


O senhor apreciaria ser nosso convidado para ser embaixador sem pasta e sem fronteiras, em todos os portais do universo, nosso guia Interdimensional?


Sim...Sim, como não?
Mas não brecisa tantos títulos honorarios. Sou um entidade simples, e não precisar do afetação do homenagem, que sempre anda de mãos dadas com o sacanagem.
Com humildade aceito!


O senhor é o nosso representante, topa topada?


Doba dobada!


Pode encerrar os nosso trabalhos por este dia. A casa é sua!


Gostarria de ouvir Zenhor Elegê cantando o Ave Maria;
Senhor Palpina com um solo de bamdolim um trecho de Vivaldi.
Senhor Katuá, um belo trecho de flauta doce,
E zenhor Dalfiorra, um trecho solo do canto Gregorriano, em Latim.

Amanhã estaremos aqui, na luz e na graça do altíssimo!




























        
Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 11/08/2007
Alterado em 14/08/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras