macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Um pedido


Sabe senhora, aquele olhar eu não pude evitar.

Quando vi, aqueles olhos estavam dentro dos meus, encantados, como uma floresta virgem.

Seus passos, perderam outras direções, e vieram procurar os meus. E as minhas pernas tremeram de alegria e de medo, e com alegria e com medo, as minhas mãos apertaram aquelas mãos.

O seu corpo efervesceu, quando o meu corpo feito vulcão se fundiu ao seu, e os nossos corpos se despiram, e as nossas bocas se juntaram para o grande beijo.

Sabe senhora, meu coração é nau valente. Já venceu vagas e rochedos. Lutou com os temporais.
Já perdeu e já ganhou muitas batalhas.

Vim, pra te dizer, que a felicidade dorme no colo dela toda noite, e  
trás o sabor do café no amanhecer.

Vim, pra te pedir permissão, trégua, compreensão. Já lutei demais.

Não me culpe pelo arrebatamento e a humildade de estar aqui.

Vim, pra falar do amor que me tomou as veias, fez meu corpo renascer, e a alma vibrar uma vez mais.

Pouco importa que eu tenha os meus cabelos brancos, e os dela, mais macios que a seda, mais risonhos que o trigo em floração.

Meu coração precisa da mansidão de um grande amor.

Vou ficar com ela até o fim do mundo.




Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 28/03/2017
Alterado em 30/03/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras