macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

A alegria do amor




Quando a alegria do amor chegar em sua vida, deixe que ela acaricie o seu rosto como uma brisa fresca. Como a mais atrevida  fresca da manhã.

Deixe que ela levante  os seus panos, e aperte as suas nádegas, com ternura ou com furor.

Deixe que ela tire as suas roupas, os seus bordados, e te faça nua, e te banhe com beijos.
E te faça senhora, e te faça mulher e te arranhe com as mãos e os dentes.

Deixe que ela possa tudo, possa inteira, como alguém que veio para te dar um presente. Um presente raro de felicidade.

Que ela venha  te acordar para a vida, e te dê frutos.
E te dê crianças para brincar em volta da casa, e faça sorrir os anciãos, já que a alegria do amor não tem idade.

Abre muitas portas e grandes janelas. Limpe o telhado da casa, para o noivado das andorinhas.

Quando a alegria do amor chegar em sua vida, plante um jardim bem simples, para que as borboletas venham te dar bom dia.



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 03/03/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras