macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Poema Desesperado


É preciso viver
Apesar do ferrão na carne
Da vaidade nossa de cada dia
Do riso e da melancolia
Da dor e da alegria
A vida nos convida a cada hora
Semear o trigo e debulhar o grão
Revirar a terra ressequida
Não amaldiçoar a semente que secou

Estamos sem rumo
O vasto anedotário me faz
Rir de mim mesmo
E do salto alto, maior que as pernas
O batom maior que a boca
E deste perfume que inflama
Minha mucosa nasal

Pelas barbas do poeta
Nenhum verso com alguma elegância
Uma linha, duas linhas, no máximo
De poesia vil e desgraçada

Só a púbis da ninfeta
Preanuncia um momento de tesão
Rogai por nós, senhora virgem
Com o seu olhar de santidade

É urgente rever o olhar impuro
Dos nossos olhos transgressores
A mulher próxima, a mulher ida
Cheia de pecado e mansidão
farta de lagrimas e perdão

Olho a plebe simpática
Com seu calcanhar de Aquiles
A plebe me angustia, mas,
Plebe é plebe
Se abastece de carne chamuscada
No boteco da esquina

Volto o rosto e encontro
O seu olhar oblíquo
Dentro do meu olhar esférico
Nenhuma ternura a declamar por nós
Dois corpos vazios, equilibrando em pernas tortas

Algum profeta aí,
Para anunciar o fim do mundo?
A ressurreição da carne
A remissão dos pecados
A vida eterna?

Amem!






Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 18/12/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras