macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Impoético

Não te ouço, não te ouvirei
Quando vieres com o humanamente correto
Eu amo a mentira, preciso de impostores
Persigo a cada passo o despenhadeiro

O engodo me deixa feliz
Me apraz o corpo retalhado
A carne exposta, os abutres
Que me vendem politicamente correto
Nas praças, nos mercados
Nos templos de milagres
Nos prostíbulos, na extrema unção

Amanha é carnaval
O meu opio de cada dia
Deveria eu fugir da festa
Para a tua alegria?

Não me venha com esta língua suja
Conjugar-me em línguas mortas
Não quero a ressurreição da carne
Tenho vísceras apodrecidas
E mau cheiro entre as pernas

Tenho gosto de adeuses na vida
A minha cabeça arrebenta o muro
E o muro retém minha cabeça
Meus miolos, meus cabelos,
Sais minerais, fósforo, e outras substancias
Que não me deixam pensar

Agir contra quem?
A favor de quem pariu
Toda esta gente
Todos estes molambos
Que fazem linda a vida?

A minha fome é poética
Fotografo as misérias do mundo
Com uma vareta magica
E um sorriso no rosto

Amanha os jornais estamparão
Uma poesia Angolana
As galerias exibirão
Pernas sem corpos
Braços sem mãos
Nenhum adeus

Dirás: Cuidado com  o abismo
Direi: O abismo sou eu
O andar de cima me assusta
Prefiro o fundo do poço

E assim, de mágoa em mágoa
De dor em dor, nos entenderemos
A tua verdade, não é melhor
Que a minha mentira
A tua amargura, não é menor
Que a minha

Apenas guardo no olhar,
Uma castidade
Mais ampla que a tua




Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 14/08/2016
Alterado em 06/12/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras