macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Da anunciaçao


Ainda assim, o amor virá
Para compreender os homens
E completar a sagração da terra

Virá como uma estrela ou uma explosão
Será como o menino que nasceu da lágrima
Ou lágrima que surgiu de uma canção

Há de ser verso, ou de ter gritos
Estrofes infinitas para se declamar
Onde o sol nasce e a lua se põe

Virá urgente na noite inesperada
Quando o olhar já está prenhe de escuridão
E a boca faminta se perdeu dos beijos
No desencanto da dor

Há de realinhar os dias de inverno
E dar o ponto certo de nascer a flor

Virá como ave faminta, para dilacerar
Os olhares impudicos dos pecadores
E não deixar procriar os maus, entre as alcovas

Sem se anunciar este amor será simples
Como a neve que se esvai com o verão
As chuvas, anunciando a florada da primavera
O olhar dos pássaros que te espiam
Com a colheita do trigo entre as mãos




Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 05/01/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras