macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Monólogo de uma boca misteriosa



O inferno é feito de gente!

Um dia, uma boca falando línguas estranhas, deixou o vento trazer esta mensagem.

Fica em uma imensa catedral gótica, mil vezes maior que a constelação de Órion, nos confins do universo, guardado por uma serpente hermafrodita, de imensos olhos de rubis!

Nunca ouvi um grito que viesse perturbar minha paciência. Lá, habita o tédio, a amargura e a omissão!

Um andarilho de cabeça enferrujada - Falou novamente a boca - que nunca chegava a lugar algum, me confessou que o tédio é o filho mais angustiado da casa, e que ele já havia percorrido uma infinidade de lugares, procurando esquecer a própria identidade. Disse, que o homem atormentado é o que mais percorre os caminhos do mundo, para distrair o sofrimento que lhe corrói a alma, fugir de si próprio, dos seus fantasmas.
O tédio leva o homem procurar as guerras, o reconhecimento pelo poder, a refugiar-se na bebida, nas drogas, na prostituição.

No omisso, vi depositado a covardia, o desprezo pela verdade, o bem comum. O omisso é o pilar mais desprezível deste inferno.
Vê a amargura que me consome, o meu olhar incerto, a falta de repouso?
Depois, o andarilho se deixou levar por uma corrente de vento, completou a boca misteriosa!

Certa vez - voltou a boca - ouvi o anjo mais belo conversar com deus, e disse: Senhor, o que fazer com estas almas sonolentas que fizeste, para habitarem o paraíso?
Vi livros sagrados de todos os cantos da terra, manchados de sangue, presenciei a raiva que enlouquece estas criaturas pelo mau uso da fé. Os homens odeiam em teu santo nome!

Eles, emporcalham a tua criação, mistificam o sagrado ato da existência, o saber e direcionado para a destruição das maravilhas que criaste, pisoteiam as dadivas das tuas mãos.
Eles fomentam a intriga entre tu e eu!

Humildemente, sempre venho me curvar a teus pés e te louvar com a alma repleta dos sentimentos mais nobres.
Não me julgues pela maldade dos homens, sou a vitima mais atormentada por esta espécie rasa, que nunca se orientou pela gratidão!
O coração do homem é que dissemina o mal na terra!

Eles, quase sempre por empáfia ou arrogância, brincam de enganar-me,  um anjo simplório , atribuindo-me os males do mundo. É fácil atribuir aos outros os seus defeitos e a sua ruina!

Precisas apaziguar a fera que habita em cada pessoa, os seus vícios, suas vaidades e a inveja, estes combustíveis que sustentam o fogo que consome as almas.

Sempre fomos traídos pelos homens. O grande amor, nos torna vulneráveis a esta espécie!

Já que me criaste, peço humildemente que me extermines para sempre. Prefiro a não existência a esta, cheia de infernos!
O meu amor pelos homens me aproxima mais de ti e deste sofrimento sem fim. Preciso descansar!
Quando haverá um dia de paz na terra? Não existe alegria nos pássaros as flores não tem mais perfume. Tudo está morrendo. O prazer já não tem sentido!
Somente quando os homens forem bons, herdaremos os bens terrenos!

O senhor olhou ternamente nos olhos do demônio , e se afastou para meditar longamente!

Quase sempre, o demônio vem caminhar no que restou dos jardins da terra. Lavar o rosto com agua fresca e respirar um pouco de felicidade. O demônio também precisa ser feliz!

De bom grado, e de alma limpa, eu condeno o homem, e perdoo o demônio, per saecula saeculorum, me disse a boca, em canto Ambrosiano!










Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 13/08/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras