macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Toda nascente é sagrada


A nascente é a filha singela do útero da terra.
Brotando de suas entranhas, vem irrigá-la, perfumando as matas e refrescando a vida.

É ela que humildemente embala a canção da natureza, e se evaporando ao calor do sol, traz a alegria da chuva.

Os Romanos no grande império, nos confins da terra, faziam festas quando descobriam um fio de água. Consideravam o achado um bom "augúrio", que merecia ser comemorado.
Foram eles que ensinaram o valor da agua que brota da terra, e mostraram ao mundo antigo, o poder das aguas minerais para bebida e banho, com seus chafarizes e suas termas.

Os Druidas faziam de suas nascentes de agua, santuários intocados. Sabiam que a água correndo, era o fluído de santidade carregando alegria, abençoando e rejuvenescendo a terra com o hálito de deus.

Os povos da floresta afirmam que um córrego de água é uma veia do "grande pai". Sai do seio da divindade, circula a natureza, vai brincar de nuvem e volta, para fazer perfeito o circulo da vida.
Maltratar um fio de água, é profanar o corpo sadio da mãe natureza. Uma ofensa grave ao criador.

Da memória dos antigos com sua sabedoria popular ouví: Há tanta miséria espiritual no coração de uma criatura que não cuida desta dádiva de deus, que a insensibilidade o torna um animal incompleto, irracional e imperfeito. Nasceu deserto. Não merece o respeito dos homens nem a ternura divina.

E que nenhuma criatura, com exceção do homem imperfeito, tem corajem de agredir esta benção que anuncia e permite o germinar da vida.

Quem assassina uma nascente de água, mata um córrego, empobrece o rio, esteriliza a terra. Comete um crime contra a humanidade.

Causa espanto aos olhos do "novo homem" que está surgindo, um córrego sujo, suplicando ajuda;
Causa horror ao coração do homem espiritualizado, a indiferença conformista do predador irracional, o "assassino de águas".

Os belos de espirito que chegam para habitar o planeta, começam a olhar a nascente como a "flor das águas", que vai formar o canteiro dos rios, e o jardim dos mares.

E que é a irmã dos animais, mãe dos peixes e cúmplice da vida!

Por ser frágil, não ter como se defender, tem que ser cuidada como uma criancinha risonha: O presentinho do ventre da terra.

Para ser amada e preservada como o mais valioso diamante:

É o tesouro da terra!.





Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 18/06/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras