macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Fantasmas



Se tens duvidas sobre o nosso amor
Olhe para as folhas secas.
É outono em nossas almas!

Vejo a neve invernarem os teus olhos
Meus braços frios não conseguem agasalhar
Teu corpo, tua alma dispersa
Que não me apraz alcançar.

O coração semeia germes por onde passa.
No coração de outros amantes
Existem amores dispersados, esperando
Mãos libertas para segurá-los.

Não faz sentido em nossas vidas,
De engano em engano
Carregarmos o fantasma
De um sonho que morreu!

É hora de adormecermos estes dias
E estas noites cheias de frio.

Tão mortas... Tão mortas!





Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 14/05/2015
Alterado em 14/05/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras