macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Poeminha



Dedico este poeminha
A uma mulher bem simples
Nascida nos cafundós do judas
Nos arredores das noites sem fim

Menina, fugiu com o cigano
Depois, se amigou com o toureiro
Mulher de centena de homens
E muito pouca plateia

Que um dia era Madalena
Outro, fugaz Odalisca
E dançava uma dança graciosa
Pra beijar os pés do Sultão

Louvado seja esta prostituta
Mãe santa e misericordiosa
Deu dois filhos para a guerra
Outra, para ser chamada Rosa

Toda mulher merece um poema
Pois, toda mulher é tecida de lágrimas
Deve ser cultivada com risos
E muitas celebrações .




Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 05/05/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras