macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Quando era felicidade



Tu ias e eu ia
Com olhos de enxergar a vida, seguíamos as borboletas de asas tênues, de voos não planejados, escrevendo a poesia do vento.

Abraçado nos teus braços fortes, cheios de afetos, contemplava as cachoeiras do Rio Doce que cantarolava a canção ancestral das águas.

Das montanhas nascem os sinos e os cordões de chuva que vinham irrigar o milharal, e o vale, onde os lírios brancos se ofereciam para enfeitar a igreja e o altar, e a dimensão onde morava a santidade.

Tu ias e eu ia
Rezar um terço comprido , uma ladainha severa, para proteger os meus dias e os teus.

Quando era felicidade, descias e descíamos, pelas trilhas elegantes da Igrejinha de Santaninha.
Na procissão, guardavas o manto da fé, no olhar azul que azulava o amanhecer.
Era um tempo de madrugadas azuis, quando amanhecia.

Irmã, de onde vem esta saudade tão profana e bela, das tuas mãos que seguravam as minhas?

Eu vinha e tu vinhas
Com velas entre os dedos, pronunciando palavras cheias de claridade,

Ao olhar gracioso de Nossa Senhora !




Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 18/01/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras