macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Mulheres cheias de sol


Preciso escrever um poema,
Todavia, não tenho palavras.
O sono vem atormentar meus olhos,
A preguiça não me deixa traduzir,
A linguagem que um "ente" me diz,
Às nove horas e trinta minutos
Desta manhã de sol.

As moças estão indo para a praia,
Com seus corpos sedentos de sol.
Meus olhos então, ficaram acordados.
Queriam dominá-las, seduzi-las,
Em um balé tropical.
( Agora estão cansados para um poema )
Pobre dos olhos que amam demais !

Confesso um medo:
O maior deles, é não poder alçar voo
Nos braços de uma mulher de ancas fartas.
( Pode ser bobagem a fartura )
Depois dos quarenta muita fartura pode ser desperdício .

Ancas mais ou menos caem bem,
( Desde que tremam de prazer )

Até mesmo umas "anquinhas" , magrinhas e mal comportadas,
Dá para bater de frente, com alegria .

Tenho medo de não saber escrever poemas,
De olhos e pernas, de mulheres cheias de sol .



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 05/01/2015
Alterado em 12/02/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras