macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Espiritual



Sei pouco sobre o que existe
No porto, final da estrada
Bolhas e ventos se enfrentarão
Pela unanimidade dos átomos

Não sei se a unidade
(Que me anima)
Permanecerá para a gloria minha
E a animosidade dos deuses

Me abraço nos escritos antigos
Dos velhos anacoretas
Que se debruçam, silenciosos
Na suavidade dos mosteiros

Amanhã é primavera
Os bosques se enfeitarão
De flores e de pássaros
Para a ressurreição

A alma do mundo, creio
Não se esgotará em mim
Tudo canta e tudo vibra
Uma sinfonia sem fim

Espero que a vida me poupe
Do não viver, do não existir
Premio único que gostaria
De carregar pela eternidade



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 17/11/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras