macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Renascimento


Não é apenas pelo mar
Ou pelas algas e os galeões
Onde repousam os dobrões de ouro
Pérolas raras e fina prata
Longe, esquecidos tesouros antigos
Não perturbados pelo olhar dos homens

Vê como as baleias aos montões
Se despedaçam contra os rochedos?
Já não vale a pena esse viver
Entre os mistérios e desolações

Urge, impávido, um terremoto
Causando espanto e ranger de dentes
Virando a terra toda pelo avesso
Silenciando o mal das nossas bocas

Mais tarde, assim, um sol de ouro
Penetre nuvens, acalme o vulcão
Prenhe a terra, outra vez prenhe
De relva, de chuva, de pão .



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 13/10/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras