macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

" O Alimento dos Deuses "
Presta muita atenção no que eu vou falar sobre o mais importante alimento para os nossos dias.
Aquele que é ecologicamente correto, por ser uma planta de duração permanente, conserva o solo, e não precisa de uma gôta de agrotóxico nem adubação química.
Adapta-se corretamente às nossas regiões quente ou temperadas, e poderia se transformar no maior mecanismo de riquezas, visto servir de alimento para o homem e animais.
Com ele poderíamos ter o maior rebanho suíno, bovino e caprino do planeta, e a tão decantada carne verde ou "limpa" dos europeus, alem do invejável leite azul, nobre, o sonho dos ambientalistas antenados e amantes da alimentação saudavel de todos os continentes.

Esta planta que produz o mais fino cereal, e abundantemente, deveria ser a bandeira maior dos nossos ambientalistas e produtores de alimentos saudáveis.
Deveria ser o símbolo da ecologia, é toda correta, distribui generosidades.

A planta monumental a que me refiro chama-se: Fruta Pão!

Assim me falou Velhajovem naquele dia ensolarado, visitando uma plantação de alimentos orgânicos.

Me alimentei desta delícia na Malásia. Era então a base alimentar deste povo saudavel, que se acredita terem povoado todo o continente Americano e a Oceania.
Foram valentes navegadores, e povo de extrema tolerancia e simpatia.

Por todo Oriente onde estive não me faltou esta iguaria maravilhosa, que fortalece o corpo e nos clareia a mente.
Impérios foram edificados a seus pés, e lendas são contadas a seu respeito.

Foram grandes comedores de Fruta Pão, os Imperadores chineses, os príncipes da India majestosa, os Sultões da Pérsia, Sidharta Gautama, o "Buda" - Sócrates e Platão, Péricles e Alcebíades - e até a maior poetisa da antiguidade, Safo. Na ilha de Lesbos reunia as suas ninfetas e cantavam e se amavam, e comiam a Fruta Pão com camarões, e depois iam declamar seus versos, cantar e tocar a Lira,
encantadoramente.

As sacerdotisas do oráculo de Cumas na Itália, o mais célebre da antiguidade, e as do oráculo de Delfos, tambem cultuadíssimo, só se alimentavam de Fruta Pão e mel de abelhas silvestres.
Eram vegetarianas para terem maior fôrça mediúnica.

Depois das cerimônias amorosas do Kama Sutra e do Tantra Yoga, na India, os praticantes se alimentavam com a nutritiva sopa do fruta Pão, para energizarem o corpo e fortalecerem a mente cansada pelos combates amorosos.

Nos monumentais banquetes Romanos, não podia faltar pétalas de rosa, javalís, alface e a delicada sopa de fruta pão, acompanhada de uma finíssima linguiça de testículos de macacos, que se apreciava como afrodisíaco.

Nero Comia fruta pão com alho para melhorar a voz para a prática do canto e da oratória.
Possuía voz belíssima e declamava versos de poetas gregos e Romanos. Segundo historiadores sérios, era um artista de fato.

Dizem que Napoleone Buonaparte curava suas diarréias, tomando um chazinho de camomila e banho com as folhas da arvore do fruta pão. Provavelmente sofria das hemorróidas e muitos gazes intestinais.
Isso ele tinha aos montões. Saía furtivamente do palacio, para liberar as ventosidades nos jardins palacianos, e se recuparava com a famosa e nutritiva sopinha.

O grande Estadista JK comia a sua sopinha com linguiça de carne de porco.
Bidú Sayão, a maior soprano lirica Brasileira, e uma das maiores de todas as épocas no cenario internacional, apreciava a sua sopinha com carne sêca.

Ambos tinham enorme bom gôsto e algo em comum: a fruta pão.

Uma coisa me incomoda profundamente: Os nossos agricultores não percebem nada. Vivem de imitação!
E se os agricultores Americanos começarem a plantar a fruta pão na California, e isso não vai demorar, o Brasil vai ficar novamente na rabada, quando a fruta pão for considerada o alimento do terceiro milênio.

A Europa não planta porque o clima é frio, não apropriado.

Plantado no meio do pasto, beira de pedra, cresce com explendor.
Serve de alimento para os bois, as galinhas e o bode. A cabra dobra a produção de leite quando de alimenta dele.
A paca, o veado e o chupatí comem até ficar com sono.

Vão deitar depois, na beira do córrego, debaixo das arvores, ou nas locas de pedra, e sonhar com os anjinhos e os duendes, e a fada madrinha dos animais, toda verdinha e amarelina. e com uma guirlanda de flores silvestres na cabeça.

Pelas bençãos do fruta pão!


        Para apreciação dos irmãos ecologistas,
     Guardiões da natureza.
                                       Que é a guirlanda de Deus.


PS. A Embrapa deve ter muitas informações.
Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 23/04/2007
Alterado em 28/11/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras