macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Obituário



Boi fumaça morreu. Deu nó nas tripas e ele se foi.
Comia muito beiço de porco, caldo de mocotó no café da manhã, e tinha uma churrasqueira de dar gôsto, para os finais de semana.
Atitude muito elegante da familia, não deixarem ver o corpo: Todo estragado!

Euli Pinico tambem se foi (a alma).
O corpo foi enterrado com um só pulmão. A outra parte foi antes.
Causa Mortis: Nicotina e alcatrão!

Jairo, libertou-se!
Levou consigo sonhos e filosofias, Mozart e os Templários.
O espirito era tão nobre que o presenteou com um templo, o da bondade.
Foi andar pelos jardins da eternidade cuidando de finas labiatas, ou ao lado de Papageno, tocando uma Flauta Mágica..

Nina deu um salto imortal de assustar!
Que vontade imensa de se afastar desta dimensão medíocre, cheia de parasitas e supérfluos!
A felicidade incendiava os seus braços, as minhas pernas tremiam. Havia um universo a parte, de nós dois.
Não me avisou, nem mesmo pediu consentimento para ir embora.
Ingrata!

Morreu Silva da Silva, criança ainda, picado pelo mosquito da Dengue.
(Atravessou-lhe com uma espada o mosquito da Dengue).
Morreu pela omissão do poder público, e da falta de vergonha dos Governantes, de um país imoral e um povo sem escrúpulos e sem bandeiras!

Um milhão de negros na África, morreram sem nome e sem endereço. Foram enterrados em cova rasa!
Morreram de fome, de tédio, de desesperança. Não lutavam por causa alguma.
Seus inimigos: Eles mesmos!


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 06/11/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras