macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Poema triste


Pobres mulheres que perderam seus filhos
No asfalto, entre lâminas e faróis
Em noite de chuva, quando o galho ao vento
Abafa o grito, e a alma não o deixa sair
Pobres mulheres que não enlouqueceram definitivamente
Nos braços da noite de chuva
Na sepultura do vento
Pobre das que viram a morte do sonho
E não puderam morrer

Pobres mulheres que entregaram seus filhos
Para os banquetes do mundo
À fome insaciável dos abutres,
Das máquinas, que se alimentam
Do sofrimento humano

Pobres mulheres que esperam
Com a eternidade da noiva no altar
Sem saber se a vida vem, ou se ela vai
Sem saber sonhar se o sonho
É apenas um sonho e nada mais
E amanhã beber só grande mágoa
Pobre da mágoa, e pobre de ti, mulher
Que sonhou de menos, porque sofreu demais

Pobres mulheres que o mundo exige
Que seja prumo, régua e compasso
E siga certa, por estradas tortas,
Sólida, em devaneio e mágicas

Pobre mulher que se perdeu
Nos labirintos de um coração,
De homem, estas criaturas imperfeitas
Feitas de angústia e carne
Pobre daquela que se apegou
Na noite fria deste coração.
De solidão em solidão
É feita a alma da mulher!



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 17/10/2012
Alterado em 21/11/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras