macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Fragmentos



Nunca ame até a ultima gota de sangue
Nem queira dar-se mais que o suor exige
O tudo e o nada não são generosos com a sorte
Nem por isso, descreia do calendário. Os dias passam e passamos pelos dias, com esperanças e arrepios e assim sempre será a condição de existir, mais aqui ou mais além.

Tormentos há, no coração de quem nunca amou. Estéril, nunca irá alem de si. Não se desdobrará para o banquete, ora suntuoso, ora frugal, que o amor prepara.

Pobre de quem nunca cantou uma canção ao vento, para escutá-la em oração, entre pássaros e flores.
Pobre de quem prepara armadilhas, para aprisionar o sentimento daquele, que humildemente caminha entre sonhos simples, que se tornou felicidade.

Não se deve marcar o coração de uma mulher com ferro em brasa. Ela pode acostumar-se à servidão, e não respirar livre, nunca mais!.




Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 17/09/2012
Alterado em 15/01/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras