macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Partida


Esta noite as minhas mãos vazias, pedem silencio e memória.
O maestro vai perdendo a orquestra, os músicos, a plateia.
Valeu a pena o espetáculo, as palmas, os risos, as lagrimas?
Quase tudo acabado, mas insisto na ironia!
Há alguma coisa além de mim?
É urgente o riso!

Rirei, rirei, até que um estrela, destas que nascem no oriente,
Circule a madrugada, e venha me trazer uma ária em um violino,
E toque, delicada e sóbria, até que eu perceba a nota
Cada nota de agonia e êxtase, cada nota!

Há que ter um anjo disponível que me abra as pálpebras,
Há que ter um anjo que me desate o nó da garganta!
Preciso do riso e dos olhos abertos para enxergar,
O meu mistério na eternidade!




Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 15/07/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras