macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Palco


Sou o homem, cidadão perplexo da terra
Quando o mar exige, a onda vem me buscar
Eu lamento o azul, e borbulho no azul
De bolhas sou, na paz do mar

Quem me mandou estar aquí,
Na paz do mar, que eu não pedí?
Na indiferença do palco
Que eu não erguí?

Mesmo que brilhem todas as estrelas
A solidão existe na imensidão do mar
Nas fardas verdes dos meus coroneis
Exército obediente de algas marinhas

Despetalei meus sonhos, um a um
E despertei exausto de mim
Vencí minhas batalhas, dilacerei meu corpo
E não consigo lapidar a alma

E como comediante bêbado
Exalto os meus papeis
Um tempo trágico, outro irônico
Meus passos sempre irão alem de mim

Sou o homem, bicho universal
E a plateia irreverente pede bis


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 13/07/2011
Alterado em 14/07/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras