macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Sentidos



Diziam os antigos,
Que a boca foi feita para escutar
E o ouvido para conversar
Daí o ditado:
"Escuta com a boca e fala com os ouvidos!"

Os antigos falavam, discretamente se ouvindo
Quando purificados eram, o ouvido e a fala
A linguagem se transformava em ato de nobreza

Os oráculos da antiguidade conversavam entre vapores
Os amantes, entre olhares conspiradores!

" A lingua é o chicote do corpo! "
Dizia minha avó, e depois silenciava!
Se recolhia em liturgias e benzições.
Era uma feiticeira de encher os olhos
Italiana da gema, benzedeira, rezava em latim,
E outras linguas que se perderam no tempo.
Sabia destas coisas de "mau olhado", quebrantes,
E o veneno que produzia a "língua bifurcada".

Meu avô, cantor de árias, barítono,
Costumava recitar monólogos, ora cômicos, ora dramáticos:
" Caveira, quem te matou?"
- A lingua meu senhor, a lingua, a lingua!
Esta cortesã insaciável, que copula com a saliva
Quando tem por perto uma mulher fatal!
Esta vilã corrompida que desata da razão,
E joga pais contra filhos, navios contra navios,
E até o diabo contra outro diabo!

Silenciemos então!
Não permitamos que da boca, que foi feita para a louvação,
E a graça do alimento, saiam víboras peçonhentas!

Tem gente que não merece a fala, tem gente que não merece
os olhos, e muitos que não deveriam ouvir!

Se o senhor permitisse somente aos justos, a virtude de falar,
A terra seria o mais belo jardim da criação!


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 18/06/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras