macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Lúcifer



Derrepente eu me tornei um deus
Os faróis do mundo me iluminavam
E eu iluminava os faróis do mundo
Como se eu fosse feito de fôgo e cravejado
Por todos os brilhantes da terra, lapidados
Para a gloria dos homens

Para a gloria minha, nenhuma gloria me bastava
Nenhum prazer me libertava das amarras de um deus
Visível e invisível que me habitava
E num crescendo e decrescendo, ora desabitava o coração
Na orgia incandescente da ilusão

Ao meu comando, o circo da vida
Girava feito navegante bêbado entre procelas
Entre um coral de palmas e delírios
Insaciáveis mares, dilaceradas ilhas

Gloria ao homem do vento, diziam em anunciação
( Em gloria e alucinação )
Glória àquele que faz dançar os girassóis
Com os seus passos leves de bailarino
Entre o espinho e a singeleza da flor

Glória ao homem deus que esqueceu o amor
E se debaterá nos abismos da alma
Sem o calor dos homens, sem a doçura dos eleitos
Sem luz, sem versos, sem calma


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 05/03/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras