macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Testamento


Há o momento em que é preciso morrer
Porque a dor é tanta que é insuportável permanecer
Se tudo vegeta e vai embora, no compasso natural das coisas
Deixem o espirito ir, desembaraçar-se de velhas quinquilharias

O que é morrer senão um espasmo
Um desmembramento entre o corpo e o espirito
A vitoria do sutil sobre a matéria bruta
A consagração da eternidade?

Porque querem que eu fique
Em meio a esta promiscuidade
Entre o bisturi e o antibiótico
Os catéteres e as bactérias?

Quando eu cair no palco
Ficar desnudo no grande circo
E emudecer meu recital
Que me perdoe esta plateia febril

Quando se perde a importancia de gerir a vida
De pintar os lábios de felicidade
De colocar mel na saliva
E perfumar o colo para um novo amor

Não apliquem tubos na garganta
Nem coloquem freios em minha boca
Eu só preciso gritar com vigor:
Respeitem o meu momento de ir embora!

Quando sonhar não vale a pena
Não vale a pena viver!


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 26/02/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras